ACALANTO - NÁDIA VENTURA - UM LIVRO PARA MAMÃE


Nádia Ventura


Mãe, eterna esperança de acalanto,
Que o filho embora envelhecido,
Já por todos esquecido
E de amargura recolhido
Nunca deixa de sonhar

Mãe, de pele enrugada ou lisa.
Vestida de seda ou de brisa,
Completamente absorta e envolvida
Com o filho a quem a vida vai dar.

Mãe, a quem um dia
Em meio à vida vazia
Ou quem sabe em certa euforia,
Num determinado instante
Hei de envolver-me em tal silêncio,
Buscando o exato momento,
De uma doce voz num acalanto
Que o tempo esqueceu-se de apagar.

                                   

Comentários