POR TINA TUDE - A CÂMARA DE VEREADORES DE LAURO DE FREITAS DECLARA 21 DE JULHO - DIA MUNICIPAL DA MEMÓRIA DO IPIRANGA


Tina Tude
Tina Tude
A câmara de vereadores de Lauro de Freitas declara 21 de julho - dia municipal da memória do Ipiranga uma ação de reparação da pertença identitária de matriz indígena no município, respaldada na etimologia tupi IPITANGA (água vermelha), topônimo ancestral do território nascido desse berço-rio e que deu origem ao atual município de Lauro de Freitas. 


Tal homenagem se fundamenta pela perspectiva do reconhecimento do Ipitanga em toda sua importância histórica para o município, conforme se observa, inclusive, pelo posicionamento da Matriz de Santo Amaro DO IPITANGA - de frente pro Rio Ipitanga, em flagrante reverência à ancestralidade que residia nessas águas. Afinal, os Jesuítas chamaram a freguesia de Santo Amaro, em honra ao santo do dia 15 de Janeiro, mas a denominação da matriz também alude a nosso berço-rio, visto que não chamaram, por exemplo, de "Santo Amaro do Joanes". 

É fundamental perceber a relevância e reverência ao Ipitanga em sua representatividade em nossa constituição topográfica ancestral, nossa pertença matriz e identitária e que já se evidenciava, desde a chegada dos jesuítas, pelo seu reconhecimento como elemento fundante desse território geofísico, aliás, o que não é privilégio apenas de nosso solo, visto que, a história da humanidade registra, em toda civilização, os rios como nascedouros dos ajuntamentos humanos dos quais se originam as comunidades. Vide o Nilo, para a civilização do Egito e os rios Tigre e Eufrates, para a Grécia, o Tâmisa etc. 

A data eleita para a declaração do DIA DA MEMÓRIA DO IPITANGA surgiu de uma iniciativa na sociedade civil, proposta pela ALALF - Academia de Letras e Artes de Lauro de Freitas, que tem o poeta de Ipitanga, Tude Celestino, como patrono da cadeira 9 e, nessa condição, traz o compromisso de promover a memória e pensamento de seus patronos, tendo demandado a sugestão ao Executivo Municipal, através da Assessoria de Pertenças Identitárias do Gabinete do Prefeito Márcio Paiva, encontrou no gestor a sensibilidade e compromisso de entendimento do pleito, remetendo imediatamente ao Legislativo Municipal, sob forma de indicação de projeto de lei para amparo a essa ação social, de relevante cunho ambiental e que institui um novo paradigma na história do município, protagonizando a atitude propositiva diante de um novo tempo de esgotamento de recursos naturais e de acolhimento de uma nova ordem mundial que convida à salvaguarda desses nossos recursos hídricos, principalmente, desses, como o Rio Ipitanga, em cujas águas correm ainda nossos elementos fundamentais de memória e identidade. 

Numa ação municipal conjunta, com participação direta do Executivo, Legislativo e Sociedade Civil, em suas diversas representatividades (classe estudantil, ativistas, ambientalistas, educadores, pensadores, artistas, grupos culturais, associações comunitárias etc.) pela preservação e conservação de nossas riquezas ambientais e imateriais, essa ação é também, portanto, alusiva ao ativismo identitário resguardado no pensamento do poeta Tude Celestino de Souza (falecido em 21 de Julho de 1989), que fora precursor da ideologia IPITANGUENSE como dispositivo de salvaguarda da memória local, além de se coadunar com as celebrações da EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE LAURO DE FREITAS - 31 DE JULHO e constituir um importante passo de reverência à ancestralidade, ativismo ambiental e reflexão sociológica na jornada do povo desse lugar, dessas terras banhadas e abraçadas por águas cor de pitanga e cor de sangue, esta TERRA DAS ÁGUAS VERMELHAS, dos rios Ipitanga e Joanes - se pensarmos o Rio Ipitanga originalmente vermelho e adotarmos o caráter simbólico do vermelho do sangue negro derramado no Levante do Joanes - 28 de Fevereiro de 1814. 

A declaração do 21 de Julho - DIA MUNICIPAL DA MEMÓRIA DO IPITANGA para o povo de Lauro de Freitas é, além de um dispositivo de enfrentamento à violência ambiental de que sofrem nossos rios, confirma-se também como uma importante conquista, sobretudo, para o pertencimento ancestral da Identidade Ipitanguense desse território, por nascimento, indígena, desde Pindorama. #SalvePovoDoIpitanga #DesdePindoramaIpitanga

Comentários