RESENHA DO DOCUMENTÁRIO - ESPERANÇA PARA OS NASCIDOS NOS BORDÉIS


Lucymar Soares 
Curso - Jornalismo/2008

Com 85 min em DVD, o documentário “Nascidos em Bordéis”, de Zana Briski e Ross Kauffman, mostra a realidade do bairro da Luz Vermelha em Calcutá que mesmo com o crescimento da Índia, a vida nessa parte da cidade é constituída de pobreza e prostituição.

Esses dois agravantes deixam sem sonho as crianças e adolescentes que vivem amargando à única certeza que lhes são apresentadas, à prostituição como meio de sobrevivência.

As documentaristas, através da fotografia, iniciam um trabalho social naquele bairro, levando esperança de uma vida melhor, com a possibilidade de sonhar com um futuro diferente. Sendo possível estudar e ter uma profissão.


O trabalho das cineastas com aquelas crianças, consistia em motivá-las a arte da fotografia, para que através desse movimento seja despertado nelas o desejo de visualizar uma vida digna. Mostrando para as mesmas que elas são capazes e que é possível construir uma outra realidade.

O que me chamou a atenção nesse documentário foi o registro passo a passo “in loco” das ações desenvolvidas com as crianças. Tipo o passeio na praia, todos com as câmaras fotográficas, a busca das documentações necessárias para o possível ingresso das mesmas em escolas internatos, o dia a dia no bairro, as relações entre as famílias e vasinhos e o entrosamento das crianças com outras crianças. Elas registraram o real. Captaram a vida como ela é.

Assim como o bairro da “Luz Vermelha” é uma realidade, em outras periferias também milhares de crianças e adolescentes vivem em situação semelhante. O que falta são pessoas com a visão que Zana e Ross tiveram em usar o que elas provavelmente sabiam muito bem, a fotografia, para implantar ali, no meio do caos, uma luz, forte o suficiente para atrair àqueles que desejam um viver contrario e que almejam conhecer outras realidades que sejam bem diferentes daquelas que Calcutá, no bairro da Luz Vermelha lhes oferecia.

O método utilizado foi bastante sugestivo e criativo. Era preciso aplicar uma técnica que pudesse despertar naquelas crianças, já tão envolvidas na promiscuidade, daquele meio onde vive, o interesse. Pois só assim haveria possibilidade de envolvê-las no programa. E a idéia de utilizar as câmaras fotográficas de forma que cada uma delas podem ter acesso, foi o segredo. Normalmente crianças são curiosas e gostam de novidades. Ao mesmo tempo em que elas usavam as câmaras como brinquedos, usavam na com seriedade, pois havia um projeto da exposição destas fotos e da venda das mesmas.

Sinceramente, mais impressionante que o documentário em si, foi à ideia desse trabalho social das documentaristas.

Esse documentário registrou a ação de duas pessoas que com muita sabedoria e comprometimento filantrópico, estão mostrando não só àquelas crianças, ao bairro da Luz Vermelha, a Calcutá, a Índia, mas a todo o mundo, que é possível criar esperança, mesmo quando a cruel realidade insiste em dizer que não tem mais jeito.




FELISQUIÉ EM SALVADOR – O SERTÃO VISITA O MAR



“O Sertão visita o Mar” é o tema de lançamento da Felisquié 
no Museu de Arte Moderna em Salvador.

O evento terá participação especial da atriz Ana Cecília Costa e da cineasta Carollini Assis

O lançamento da IV Edição da Festa Literária  Internacional do Sertão de Jequié – Felisquié, que acontece no Museu de Arte Moderna, Corredor da Vitória, no dia 15 de outubro (terça-feira), às 18h, terá a participação de duas mulheres de grande relevância no cenário cultural brasileiro: a atriz Ana Cecília Costa e a cineasta Carollini Assis. Elas vão compor à Mesa “Adaptações de Obras Literárias para os Palcos e para as Telas”. 

A atriz Ana Cecília Costa fará uma exposição sobre as suas atuações em peças, filmes, minisséries e novelas. Formada em teatro e Cinema, com mestrado em Comunicação, Ana Cecília nasceu em Jequié e atuou nas novelas da TV Globo: Órfãos da Terra, Cordel Encantado e  Joia Rara; participou do filme Capitães da Areia e  das peças de teatro O Sumiço da Santa  e Teresa D´Avila. Ana também foi assistente de direção dos longas metragens Bad Boy e Eclipse e dirigiu o curta-metragem O Casamento em 2003 e os videoclipes Go tell e São Francisco da cantora Katia Dotto.

A cineasta Carollini Assis transita por linguagens diversas: o jornalismo, o cinema e a literatura. Formada em jornalismo, com especialização em TV e vídeo, Carollini foi diretora da Associação Baiana de Cinema e Vídeo, presidente do Colegiado Setorial do Audiovisual da Bahia. Em 2012, ganhou o Prêmio Lauro de Freitas de Literatura, com o conto O Canto do Silêncio. No evento de lançamento da Felisquié em Salvador, ela vai falar sobre o roteiro de adaptação para as telas do livro Anésia Cauaçu de Domingos Ailton, sobre a sua viagem ao Sertão de Jequié e a descoberta dos locais onde viveram os personagens do romance. O autor da obra, o jornalista e escritor Domingos Ailton será o mediador do evento intitulado “Mesa de Conversa”, que também contará com a presença do filósofo Luciano Costa e do poeta Valdeck Almeida de Jesus. 

O início da programação oficial da Felisquié será na Câmara de Vereadores em Jequié no dia 28 de novembro e terá a “Leitura”, como tema principal. Os escritores Luís Cotrim, Pacífico Ribeiro, Wilson Novaes, Heleusa Câmara e  o cineasta Glauber Rocha serão os principais homenageados. A Felisquié encerra em 1º de dezembro. 

A IV Edição da Felisquié é uma realização da Cotoxó Comunicação e Consultoria em parceria com a Secretaria de Cultura do Estado  da  Bahia,  Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia - IPAC, Museu de Arte da Bahia, Secretaria Estadual de Educação da Bahia e UESB, através da Pró-Reitoria de Extensão – Proex e dos projetos e programas Estação da Leitura e Páginas Formando Leitores.

SERVIÇO: 
O QUÊ: Lançamento em Salvador da FELISQUIÉ - IV Edição da Festa Literária  Internacional do Sertão de Jequié e do livro Anésia Cauaçu de Domingos Ailton
ONDE: Museu de Arte Moderna, Avenida Sete de Setembro, 2440, Corredor da Vitória. O evento é gratuito e não há necessidade de inscrição prévia.
Preço do livro Anésia Cauaçu: R$ 40,00
QUANDO: 15 de outubro, terça-feira, às 18h. 
INFORMAÇÕES À IMPRENSA: Domingos Ailton - WhatsApp: (73) 99855 4323

PROGRAMAÇÃO: Lançamento da Felisquié em Salvador – O Sertão Visita o Mar
Apresentação - Domingos Ailton – Escritor, jornalista, professor e curador da Felisquié
18h – Abertura – Homenagem ao Dia do Professor com o historiador Émerson Pinto de Araújo
18h20 - Mesa-redonda - Adaptações de Obras Literárias para os Palcos e para asTelas 
Palestrantes: Ana Cecília Costa (atriz) e Carollini Assis (cineasta)
19h20 - Roda de Conversa sobre filosofia e poesia.
Palestrantes: Luciano Costa (filósofo) e Valdeck Almeida (poeta)
20h20 – Lançamento do livro Anésia Cauaçu do jornalista e escritor Domingos Ailton

UBESC COMEMORA DIA INTERNACIONAL DO ESCRITOR COM SEMINÁRIO SOBRE LITERATURA NEGRA




No dia 11 de outubro (sexta-feira), às 18h30, a União Baiana de Escritores – UBESC realizará o seminário LITERATURA NEGRA: LAÇOS LITERÁRIOS ENTRE BRASIL & ÁFRICA, com os escritores (as) Jovina Souza, Margarete Carvalho, Roberto Leal  e Valdeck Almeida de Jesus, um time de autores com vasta experiência internacional, que compartilharão os desafios para expandir a literatura da Bahia, no continente africano e outros países da América e Europa. O evento é em comemoração ao Dia Internacional do Escritor, data celebrada mundialmente em 13 de outubro, e conta com a mediação do jornalista Carlos Souza Yeshua.

A professora, crítica literária e escritora Jovina Souza, autora do livro de poesias negras “O amor não está”, publicado em abril, pela Ed. Òmnira; compartilhará com o público a experiência de passar um dia de aprendizado no Quilombo mais antigo das Américas, o Quilombo que nunca foi vencido. No mês de agosto a escritora esteve na XVII edição do Parlamento Internacional de Escritores da Colômbia, ela que também já tem trilhado territórios como África do Sul e Marrocos, destacará a África, como narrativa para uma identidade. 

A também professora, escritora e militante da UNEGRO Margarete Carvalho, autora do romance “Alma Cativa”, publicado em fevereiro pela ed. Òmnira;  recentemente esteve em países como Estados Unidos e Tunísia, e abordará a literatura negra a partir de uma perspectiva afrofuturista, um conceito estético cultural e filosófico que combina elementos da ficção científica, ficção histórica, fantasia, arte africana e arte da diáspora africana, na visão de reexaminar fatos históricos.   

O jornalista, escritor e editor da revista angolana de Literatura “Òmnira” Roberto Leal, autor de “Letras Pretas Cruas & Nuas – Poesias com Luta & Contos de amor” (Ed. Òmnira) levará a necessidade da garimpagem de novos talentos da Literatura Africana de Língua Portuguesa, com o objetivo de resgatar o tempo perdido com o período escravocrata colonial, como também, o incentivo à leitura, como uma maneira de avançar na construção de uma educação mais avançada, ele que tem um trabalho em países como: Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau e Moçambique. 

O escritor e jornalista Valdeck Almeida de Jesus abordará a semelhança entre os temas que poetas utilizam em suas respectivas escritas, a partir de um caso concreto, do qual é um dos participantes, o livro Brasil e África: laços poéticos, dos autores Dye Kassembe, Walter S, Eduardo Quive, além de falar sobras às experiências no Salão do Livro de Genebra, Parlamento Internacional de Escritores da Colômbia, Encontro de Escritores do Chile e das Festas Literárias Internacionais de Jequié, Santo Estevão e Chapada Diamantina, na divulgação da literatura negra e periférica. 

Entre as diversas obras de Valdeck, em 2018 organizou “Poéticas periféricas - novas vozes da poesia soteropolitana”, uma antologia que reúne textos de poetas e poetisas da periferia de Salvador/BA. Participam do livro poetas dos coletivos Sarau da Onça, Slam da Soronha, Sarau do Gheto, Sarau do Jaca, Sarau do Cabrito, Coletivo Cabeça, Sarau do Gato Preto, A Tu Ar, Sarau da Laje, Zeferinas, Sarau Arte Livre, Slam da Quadra, Sarau Urbano, Coletivo Boca Quente, Coletivo Pé Descalço, Coletivo G13, Resistência Poética, Poeta com P de Preto, Slam das Minas, Coletivo Nosso Palco, Coletivo Pega Visão, Cine Sindicato, A Currute Poesias, CEPA Jovem, A Pombagem, Sarau Enegrescência, dentre outros.

Serviço:

O quê: Literatura Negra: Laços Literários entre Brasil & África – Em homenagem ao Dia Internacional do Escritor
Onde: Livraria Saraiva do Shopping da Bahia (Espaço Glauber Rocha) – Av. Tancredo Neves, 148 – Caminho das Árvores. Salvador - Bahia
Quando: Dia 11 de outubro (sexta-feira), às 18h30.
Entrada: Gratuita
Informações: (71) 98736-9778 / 98122-7231. http://www.fundacaoomnira.com.br/

ATRIZ ANA CECÍLIA COSTA, JORNALISTA CRISTINA SERRA E CINEASTA CAROLLINI ASSIS NO LANÇAMENTO DA FELISQUIÉ




Três mulheres de grande relevância no cenário cultural brasileiro participam do  lançamento  da IV Edição da Festa Literária  Internacional do Sertão de Jequié – Felisquié, que acontece no Auditório Waly Salomão da UESB – Campus de Jequié, dia 4 de outubro às 19h. São elas: Ana Cecília Costa, Cristina Serra e Carollini Assis.

Ana Cecília é uma consagrada atriz que nasceu em Jequié e tem grande projeção no teatro, no cinema e na televisão. Está atuando  no elenco da novela da TV Globo, Órfãos da Terra e  já atuou em teledramaturgias da emissora como Cordel Encantado e Jóia Rara; no filme Capitães da Areia e  nas peças de teatro O Sumiço da Santa  e Teresa D´Avila dentre outras produções. Ao lado da cineasta Carollini Assis (que está produzindo  roteiro de adaptação do romance Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton, para o cinema e a televisão),  a atriz jequieense vai participar da mesa Leia e assiste esse livro: Adaptações de obras literárias para os palcos e as telas. Já a jornalista Cristina Serra vai fazer a palestra Leitura de  desastres ambientais no Brasil: De Mariana a Brumadinho e lançará o livro Tragédia em Mariana, publicação de  referência no  País e no exterior.

A mediação da mesa e da palestra está a cargo do curador da Felisquié, jornalista e escritor Domingos Ailton, e o evento vai contar também com apresentações culturais do ator Marcos Duarte e do músico Victor Ângelo. Na oportunidade abrirá a inscrição para quem queira participar como ouvinte da programação oficial da Felisquié, que vai ocorrer no período de 28 de novembro a 1 de dezembro, tendo como tema central Leitura e homenageará os poetas e escritores Luís Cotrim, Pacífico Ribeiro, Wilson Novaes, Heleusa Câmara e  o cineasta Glauber Rocha.

A IV Edição da Felisquié é uma realização da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia e da Cotoxó Comunicação e Consultoria com parceria com a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, Secretaria Estadual de Educação e da UESB através da Pró-Reitoria de Extensão – Proex e dos projetos e programas Estação da Leitura e Páginas Formando Leitores. (Ascom da Felisquié)



Ana Cecília

Cristina Serra

 Carollini Assis