COM CAVEIRAS E CRUZES, IGREJA EVANGÉLICA NO RIO UNE AMANTES DO HEAVY METAL



"Não se escandalize. Jesus venceu a morte, ele ressuscitou". Pintada com tinta vermelha no verso da tampa do caixão preto encostado na parede, a mensagem serve de advertência a quem chega à igreja Metanoia, no Rio de Janeiro. Não é à toa. Cunhada pelo seu fundador, o pastor Enok Galvão de Lima, 52, a frase ajuda a explicar as cruzes negras penduradas no teto, os desenhos de caveiras e a decoração sombria do lugar.

Direcionada aos amantes do rock 'n roll, principalmente do heavy metal, a igreja evangélica completa 25 anos de fundação em 2015 tendo se estabelecido como um reduto de cristãos pouco --ou quase nada-- ortodoxos. Quem sobe os 40 degraus que levam ao terceiro andar de um prédio de esquina, na rua da Proclamação, em Bonsucesso, dentro do Complexo da Maré, zona norte da capital fluminense, logo se depara com uma placa que convida: "entrai-vos, mortais".

A história da Metanoia começa em 1980, com a entrada do rock na vida de Enok. O então jovem de 17 anos que não tinha religião e havia se mudado com a família de Natal para o Rio de Janeiro quatro anos antes conheceu em festas a música de bandas como Beatles, Rolling Stones e Creedence Clearwater Revival. "Eu ouvia muito, mas era bem fraquinho".

Ao descobrir bandas mais pesadas, como o Black Sabath, entrou de vez no mundo do heavy metal. "Minha vida era o rock 'n roll e tudo o que a vida oferece: álcool, maconha, alucinógenos… Traçava tudo o que rolava na época". Um dia, em 1983, recebeu o convite de um amigo de Bonsucesso para ir a um culto da Igreja Evangélica Congregacional. "Fui, gostei e aceitei a proposta", conta. "Só não larguei o rock".

Sete anos depois, em 1990, sentindo que "a galera do heavy metal" não tinha acesso à palavra de Deus, tomou a decisão de fundar uma igreja que pudesse acolhê-los. "Por ser roqueiro, eu percebi que o pessoal do rock teria como vir para Deus associando a cultura e a música dentro do evangelho. Para a gente, o heavy metal não é coisa do diabo. Somos seguidores de Jesus, sem os dogmas e a paranoia de religião", afirma. No princípio, as reuniões aconteciam em uma pequena sala. Anos depois, houve uma mudança para um espaço um pouco maior.

A ida para a atual sede, de aproximadamente 240 m², aconteceu há dez anos. Dentro do espaço, cujo aluguel de R$ 1.000 é pago com o dízimo dos fiéis, a maior área é onde acontecem os cultos (aos domingos, das 18h às 21h), as reuniões de orações (às quintas-feiras, das 20h às 22h) e os eventos musicais (com shows de três bandas de heavy metal, "cristãs ou seculares", uma vez por mês). Existe ainda um camarim para os grupos, uma cozinha e um banheiro. No imóvel, Enok guarda colchonetes e roupas de cama para seguidores que morem longe ou não tenham onde ficar. Alguns deles chegaram a viver no espaço por dois anos.

Atualmente, segundo Enok, a igreja reúne cerca de 30 fiéis. No passado, o número já foi mais de três vezes maior. E a que ele credita a redução da frequência? "Na minha visão, a pressão do mundão aí fora é muito forte", resume. Apesar do visual "underground", a Metanoia segue regras. "No evangelho, a própria palavra de Jesus ensina que não devemos nos embriagar, que o nosso corpo é o templo de Deus. Então tudo aqui que vem para nos destruir, a gente evita", diz, referindo-se às drogas. O pastor também recomenda que os fiéis evitem o sexo antes do casamento.


Veja a materia completa:

Transformação da mente


Comentários