PESQUISA CIENTÍFICA MOSTRA COMO GANHAR MAIS LIKES NO INSTAGRAM



Qual filtro do Instagram você prefere? Várias pessoas têm essa dúvida ao publicar uma foto no aplicativo. No entanto, graças à ciência, você não irá passar minutos (que parecem intermináveis) para descobrir qual filtro utilizar no Instagram.

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia e do Laboratório do Yahoo examinaram 7,6 milhões de fotos enviadas por smartphones para o Flickr. Eles fizeram uma análise quantitativa do número de visualizações e comentários de cada imagem. Desse modo, a equipe determinou quais são as ferramentas de edição de fotos mais eficazes nas redes sociais.

De acordo com a pesquisa, em termos de engajamento, fotos que usaram filtros receberam mais “likes” e comentários do que as imagens sem o recurso. Isso, em números, significa que as pessoas são 21% mais propensas a olhar para uma foto com filtro e 45% mais dispostas a comentar na imagem editada. Mais especificamente, os cientistas descobriram que filtros que aumentam o contraste, a luminosidade e o “calor” da foto estão relacionados a altos níveis de engajamento.

Assim, no Instagram, os filtros Mayfair, Valência e Nashville são os mais recomendados para quem quer ter mais “likes” e comentários. Já os filtros com efeitos exagerados, como X Pro II ou Kelvin, não chamam tanta a atenção, pois parecem mais artificiais. Além disso, os pesquisadores entrevistaram os usuários do Flickr para descobrir que categorias de fotógrafo utilizam mais determinadas ferramentas de edição.

Segundo os cientistas, os profissionais que tinham câmeras avançadas, conhecimentos de edição e smartphones eram mais propensos a usar filtros para corrigir erros fotográficos ou para realçar cores e objetos específicos. Já os fotógrafos amadores, que tinham apenas o celular inteligente, usavam os filtros para deixar as fotos mais legais e únicas. Desse modo, eles não estavam preocupados, em geral, com a qualidade da imagem.


O MULTIARTISTA FÁBIO HAENDEL LANÇA LIVRO DE POESIAS E ILUSTRAÇÕES

O lançamento do livro "Antes das Nuvens" será no dia 06 de junho, às 19h, no Teatro Eva Herz, Livraria Cultura Salvador Shopping, com participações especiais dos escritores Kátia Borges, Nílson Galvão, Mariana Paiva e Valdeck Almeida de Jesus


Sinopse:
Um livro para ouvir
Kátia Borges

Menestrel urbano no cenário criativo da soterópolis, Fábio Haendel transita desde a adolescência entre notas musicais e texturas, paletas de cores e grafites, acordes vocais e versos. Suas estrofes poéticas surgem despretensiosas, brincando com a sonoridade e o sentido das palavras, passando ao largo da métrica e da rima, movendo-se no território delicado – e sempre perigoso – do coloquial e da prosa. 

Numa época em que se precisa pedir permissão até para apressar o passo ou mudar o ritmo, Haendel mostra-se corajoso. Entra na dança e ousa um livro. Não é pouco. Talvez, alguns torçam o nariz diante da estréia literária deste artista visual e músico. Afinal, a sua poesia não é daquelas que definem os verbetes específicos, que festejam os críticos ou que almejam a perenidade dos sequilhos acadêmicos.
Mas, embaralhando metáforas, referências e linguagens, Haendel faz de Antes das Nuvens, seu primeiro livro, um veículo de ideias, tela colorida por palavras, coletânea de letras, canções que experimentam aqui nova via criativa de suporte e de expressão. “Escrevo versos, estrofes, troféus e catástrofes. Escrevo a história que traça o homem no mesmo papel que a traça come”. 

Perpassam as letras de Haendel, certa inquietação quase juvenil em relação ao mundo e a idealização de um eu poético fugidio, que ora defende uma ideologia humanista ora ensaia a fuga rumo a um novo planeta e a um modo alternativo de vida. “Ando nos contornos das nuvens baixas das altas estações, eu tenho uma bússola na sola do pé, eu vou na direção que eu quiser”. Um livro para ouvir alto. 





PROGRAMAÇÃO
Sarau com participação de:
Kátia Borges 
Mariana Paiva
Nilson Galvão
Valdeck Almeida de Jesus

Performance dos atores:  Heyder Moura, Ricardo Andrade e Thiago Carvalho
Pocket show de Fábio Haendel com Henrique Duarte, Saulo Tácio e Willy Haendel
Sessão de autógrafos do autor 

SERVIÇO
O QUÊ: Lançamento do livro “Antes das Nuvens”, de Fábio Haendel
Editora Cogito
QUANDO:  06 de junho de 2015 (sábado)
19h  às 22h
ONDE:Teatro Eva Herz, Livraria Cultura, Salvador Shopping

CONTATO: 
Produção: Benigno- planejamento e produção cultural
Lígia Benigno (71)3018-6062/9272-0745 (tim)

MORGANA GAZEL LANÇA CRIAÇÃO - BIBLIOTECA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA - 12 DE JUNHO



Com dois romances publicados, Enseada do Segredo e Liberdade Negada, a escritora Morgana Gazel agora prestigia os leitores com outro gênero literário, a poesia, através do seu mais novo livro “Criação”. 

O lançamento desta obra será realizado no dia 12 de junho, a partir das 18h, na Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris), junto ao lançamento do Dicionário de Escritores Contemporâneos da Bahia

Em Criação, após contar sua história de vida no poema Biografia, Morgana Gazel passeia da criação divina do universo com tudo o que nele há, até a destruição do planeta dos homens. Desenvolve este trágico percurso da civilização humana a partir do uso da palavra, finalizando-o com o apocalipse. E, conforme a mensagem dos poemas, ela os distribui pelas diversas seções.

No texto de dedicatória e agradecimento a Deus, a quem denomina Criador, transparece sua visão da realidade e fé inexplicável, quando diz: “Mesmo que a ciência conclua que a criação do mundo se deu de modo espontâneo, não abdicarei da fé que sussurra em minha mente ter sido este evento obra de um Criador. Mas há um corolário, decorrente da infinitude do universo, impossível de ser ignorado: a Terra não passa de uma partícula microscópica neste espaço sideral em que vivemos. Portanto diante de tal situação somos quase nada”. E no final desse texto afirma: “A certeza é da mente, a fé é do coração”. 

Morgana Gazel - Graduada em matemática e psicologia. Em 2004, começou a se dedicar à arte literária, exercitando-se com poesias e contos, mas logo se arriscou a escrever um romance, o Enseada do Segredo, publicado pela primeira vez em agosto de 2008, pela Scortecci Editora. A segunda edição foi publicada pela Paco Editorial (2011) e a terceira pela Cogito Editora (2014). 

O Liberdade Negada foi publicado também pela Cogito Editora (2013). Ambos fazem parte de uma trilogia que será finalizada com A carta da mãe, em fase de elaboração. A escritora tem no prelo o livro de contos, crônicas, artigos e pensamentos, com o título Chuvas de Verão. 

Em 2012, Morgana foi contemplada com o Prêmio Literário - Literarte 2012, com o poema Mundo, na categoria Criatividade e Originalidade. Em 2013 recebeu menção honrosa no concurso CEPA - 62 ANOS, com o poema Aletologia, 5º lugar.   Atua também como palestrante. Proferiu palestra, em mesa redonda do seminário da UBE,  O poder de transformação da literatura, em 2012. E, sobre este mesmo tema, num painel de igual título na Festa Literária de Jequié e em escolas do SENAI. 


O que:  Lançamento do livro Criação, de Morgana Gazel 
Onde:  Na Biblioteca Pública do Estado da Bahia – Barris – Salvador/BA.   

Quando:  Dia 12 de junho (sexta-feira), a partir das 18h.  

Entrada:  Franca. 
Editora: Agilite Publicações e Interatividade. 
Quantidade de páginas: 92. 
Valor: R$30,00  
Informações: 71 8122-7231




LITERARTE PREMIA POETAS EM NOITE FESTIVA EM SALVADOR





A Literarte, estará desta vez Homenageando Poetas em uma noite Festiva em Salvador.

A Premiação Poeta Destaque 2015 , homenageará Poetas que se destacaram, além dos Ganhadores do Concurso de Poesias criados para homenagear Poetas nascidos na Bahia que vivem na mesma ou em outros Estados.

O Evento acontecerá no dia 30 de maio na Escola Caballeros de Santiago no Bairro Rio Vermelho. 

A Cerimônia será aberta ao público, de entrada franca e outros poetas que desejem participar do Sarau que irá acontecer durante a Cerimônia, mesmo não sendo homenageados, poderão participar. Dentre os homenageados:  Varenka de Fátima, Audelina de Jesus Macieira, Conceição Ferreira , Edgar Vellame , Lucas Yuri, Marly Ramos , José Ramiro Ramalho, João Bosco Soares Santos


SERVIÇO
O  que: Literarte premia poetas em noite festiva em salvador
Quando: 30 de maio
Onde: Escola Caballeros de Santiago
Endereço: R. da Paciência, 441 - Rio Vermelho, Salvador - BA, 41950-010


Segue abaixo a Programação e Logo em seguida os nomes dos homenageados: 

17:30- Reunião de Membros e Diretoria da A.L.M.A.S para traçarmos metas e objetivos.
18:30 - Lançamento do Livro "Amo amar você 3 - Organização Comendadora Sol Figueiredo 
19:30 - Entrega das Homenagens a Poetas que se destacaram em 2014/2015 

Veja aqui todos os poetas que serão homenageados :



PROGRAMAÇÃO – MULTIPÉTALO EM DOSE DUPLA - CILENE TINAUT E ALICE DE SANAYÁ




O Multipétalo em dose dupla neste fim de semana no Restaurante ZanZiBar.

No dia 29, Sexta, na quinta edição do "Projeto Patuá", às 20:30, dividindo a noite mais uma vez com Alice De Sanayá!

No dia 30, Sábado, o "Sambão pra Jorge" invade o tradicional espaço a partir das 15h, e O Multipétalo realiza repertório de samba ao lado das grandiosas Cilene Tinaut e Alana Muinhos, recebendo nesta edição, como convidada, a Cantora Maria Betânia Parente.

Programe-se e venha curtir essas deliciosas festas!
Um final de semana fantasticamente Multipetálico pra você!!
Alegria de viver!


AS MORENAS DE ITAPUÃ - DIREÇÃO AMADEU ALVES - REALIZAM O SHOW FLOR E RAIZ


   
Formado por três jovens cantoras, Driele Louise, Evelin Dias e Juliana Ribeiro, talentos revelados dentro do trabalho do grupo cultural As Ganhadeiras de Itapuã, o grupo vocal As Morenas de Itapuã, vem encantando o público por onde passa, cantando canções populares, xotes, baiões, galopes, samba de mar aberto, cirandas, e ijexás. 

O projeto desenvolve um trabalho pleno de juventude e encantamento, com um ritmo contagiante, onde a ponte entre a tradição e a modernidade se apresenta com muita beleza, leveza e vitalidade. 

O grupo “As Morenas de Itapuã”, que tem a direção do compositor e instrumentista Amadeu Alves, será acompanhado por uma banda formada por Amadeu Alves (violão e vocal), Fabrício Rios (bandolim e guitarra baiana), André Luba (baixo), Paulo Sérgio Pastel (percuteria) e Zé Di Dilinha (percussão), prestará uma homenagem à música popular brasileira interpretando canções como “Maria, Maria” de Milton Nascimento; Chorinho para Sorrir”, e “Por onde Cira anda” de Amadeu Alves; “Irene” de Caetano Veloso; “Chica da Silva” de Jorge Bem Jor; Maré Mansa (Jenner Salgado), dentre outras.


Serviço:
O que: Show Flor e Raíz
Quem: As Morenas de Itapuã
Quando: 30 de maio
Onde: Teatro Sesi Rio Vermelho
Quanto: R$20 (inteira)
Contatos: 71 9911-8010
alves.amadeu@gmail.com


Para maiores referências do grupo:

Vídeo:








NONA AULA DO CURSO DE FILOSOFIA DAS RELIGIÕES - CEPA - PROFESSOR GERMANO MACHADO



O CEPA – Círculo de Estudo Pensamento e Ação realizará neste sábado (30/05) a nona aula do Curso de Filosofia das Religiões – Oriente e Ocidente, proferida pelo Professor Germano Machado (professor da UFBA e da UCSAL) e pelo estudante de Psicologia Elder Carlos Dos Santos, que terá como tema: Cristianismo.

No segundo momento da tarde, teremos nosso Conversaúde. Trata-se de uma proposta de promoção de bem-estar, dividida em dois sábados, com dois convidados. A convidada deste sábado é Maria Pires Saavedra, Terapeuta Holística, graduanda em Pedagogia, que proferirá palestra sobre Reiki.

Também teremos parte artística, com sarau poético-musical com as participações de Chico Do Crato, Milica San, Yuri Sant'Anna da Silva, Luiz Menezes De Miranda Miranda, Conceição Ferreira, Ivan de Almeida, Rosana Paulo, Jose Abbade, Oswaldo Lemos. Espaço aberto aos artistas e palavra franqueada a quem chegar.

Haverá confraternização com o apoio de todos em nosso coquetel solidário.



DE NEIA ANDRADE - CASTELO DE IMPOSSIBILIDADES

 

 Neia Andrade 

Se a nossa vida fosse um livro, seria um romance; Se fosse um filme, seria uma comedia; Se fosse um conto, não seria de fadas; Se fosse um pronome, não seríamos nós; Se fosse um sentimento, não seria amor; Se fosse um grito, não seria de dor; Se fosse uma lágrima, não seria de sofrimento; Se fosse dosado, seria pouco; Se fosse tempo, seria distante; Se fosse um sorriso, seria engraçado; Se fosse um dia, seria amanhã; Se fosse um advérbio, seria de dúvida; Se fosse a lua, seria minguante; Se fosse sexo, seria gostoso; Se fosse um sonho, seria você; Se fosse um desejo; seria estar ao teu lado; Se fosse uma pergunta, seria “você me ama?”; E se fosse eu, ia queria saber dos muitos porquês? Saber por que edificamos um castelo que ninguém poderá escalar.

E quanto mais o tempo passa, mas distantes ficamos do mundo que nos cerca. Acho que somos dois iguais que se encontraram vivendo em realidades diferentes.Que têm medo se entregar e viver por medo de sofrer e se perder da arte de ser feliz… a arte que a todos encanta, mas que a nós espanta! Enquanto a vida passa e o tempo segue com seu galope rápido, estamos construindo castelos de impossibilidades e, cada vez mais, nos afastando das pessoas que amamos, por medo de ser feliz e nos arriscarmos pensando sempre no se e nos esquecendo do já.

Nessa nossa limitada vida, um vapor que aparece e logo se vai. E nós continuaremos edificando castelos… ficando cada vez mais distantes de uma possível realidade, porque pensamos muito e vivemos pouco. E eu me pergunto? Até quando seremos tão limitados e teremos uma visão tão restrita da vida? Por que esperar tanto as coisas acontecerem ao invés de fazê-las acontecer concomitantemente? Eu nunca senti sensação parecida. Quando eu toco tua pele sinto que vou flutuar… Por que não viver algo tão bonito, não se permitir quebrar regras e romper com preconceitos e viver sem medos, sem culpas? Por quê? Que graça tem a vida se não pode ser vivida plenamente? Por que escolher ser incompleto, se o Criador nos criou para um completar ao outro? Por que ser um se nascemos pra sermos dois? Por que viver poucos mágicos momentos? Por que se privar de viver coisas tão boas esperando por um incerto amanhã? Quando você conseguir responder a todos esses, porquês, eu lhe responderei o porquê! Apesar de tudo, eu ainda o amo!


Neia Andrade 

MISSA DE AÇÃO DE GRAÇA EM COMEMORAÇÃO AO ANIVERSÁRIO DE GERMANO MACHADO


No próximo dia 28 de maio (amanhã), o Professor Germano Machado fará 89 anos e através da querida amiga e Confreira Vanda Cunha e já agora também de todo o CEPA e seus amigos convidam para a missa das 18 horas na Igreja da Piedade como Ação de Graça. 

Dessa forma uma proposta de festa na Sede do CEPA no Barbalho fica para outra ocasião, já tendo conversado e explicado ao autor os motivos pelos quais não se fará a comemoração no Barbalho. Estão todos convidados para a missa.



GERMANO DIAS MACHADO 

GermanoMachado nasceu em Salvador, no dia 28 de maio de 1926. É escritor e jornalista, com formação na primeira turma de Jornalismo da Ufba. Fundador e presidente do CEPA, lecionou na Ufba, Ucsal e na Escola Técnica Federal da Bahia. Pertence às Academias de Letras e Artes “Mater Salvatoris”, de Letras e Artes de Salvador, além da Academia Baiana de Educação. 

Integra o Grupo de Ação Cultural da Bahia e a União Brasileira de Escritores – UBE. Dentre os livros já publicados estão Os Dois Brasis; A Verdadeira Revolução; Homens e Estruturas; Cinco Solitários; Igreja Humana e Divina; Brasil e Índia – Oriente e Ocidente entrelaçados; A Longo Prazo; Cosmovisão e Cosmovidência de Rui Barbosa; Tempo Decorrido: Natal Permanente (1986); Da Física da Matéria à Metafísica do Espírito.


O que: Missa de Ação de Graça - Aniversário do Professor Germano Machado
Dia: 28 de maio
Horário: 18 horas
Local: Igreja da Piedade 

OS INDIANOS QUE LUTAM NA LAMA ─ E NOS QUAIS NINGUÉM QUER TOCAR



A luta é popular em toda a Índia, mas no Estado de Maharashtra há uma obsessão particular com o esporte, especialmente com a modalidade maati kushti ─ praticada na lama.

Assim como o futebol no Brasil, muitas famílias pobres das áreas rurais do país encaram esse esporte como um dos poucos meios para que os filhos ─ enviados a centros de treinamento muito jovens ─ deixem para trás uma vida de pobreza e discriminação social. Mas poucos afortunados conseguem ganhar fama e dinheiro.

Há poucos lugares na Índia moderna onde as mulheres não podem entrar, mas talim, ou "academia de luta", na parte rural de Maharashtra, é um deles. "Senhora, mulheres aqui não são permitidas", me diz Amol Sathe, um esbelto lutador de 20 anos, quando tento entrar nas instalações onde os jovens vivem, comem e treinam juntos. As mulheres são "uma distração", alega ele. No entanto, após conversas entre Sathe e o proprietário, minha entrada é finalmente autorizada.
Barro vermelho

Homens jovens vestindo tangas, que se preparam para entrar na arena, olham para mim surpresos. Sathe, uma das estrelas locais, faz um rápido aquecimento ─ 200 flexões e 200 abdominais ─ e salta para dentro da lama.

Seus corpos brilham com óleo de coco e os lutadores se dão tapas nas coxas e nos braços, provocando estalos enquanto estudam o próximo golpe. Depois de alguns minutos, todo mundo está sujo de lama avermelhada. No entanto, não é qualquer tipo de terra. Está misturada com limão, leite, manteiga, cânfora, açafrão e "muitas outras coisas", explica Sathe.

"Quando praticamos na arena, a terra nos dá energia e tira as impurezas que temos em nosso corpo."
A pureza mural também é importante. Eles não devem beber ou fumar ou manter relações sexuais antes do casamento. As paredes descascadas são decoradas com as fotos emolduradas do deus macaco, Hanuman, a divindade adorada pelos lutadores.

Vida melhor

O objetivo no maati kushti é fazer o adversário cair de costas sobre a terra. Não importa quanto tempo é preciso para conseguir isso. Ao contrário do que acontece na luta tradicional, dividida normalmente em um número definido de rodadas, a luta na lama pode durar de um minuto a várias horas.

Sathe está usando seu sucesso como meio de atingir mobilidade social. Ele tenta escapar do nível mais baixo da sociedade indiana, dominada por um sistema de castas. Ele é um pária, categoria conhecida antigamente como "intocáveis", as pessoas mais pobres e oprimidas da Índia.

Atualmente, Sathe aluga um apartamento moderno e arejado na cidade de Karad, embora tenha crescido na aldeia de Masoli. A casa de sua família tem apenas um andar e possui telhado de zinco pintado de verde desbotado. O interior é como um forno. Não há janelas e o telhado de metal parece intensificar o poder do sol.

"Não temos acesso à educação na nossa aldeia, não há horizonte para nós", diz o pai de Sathe. Ele diz não querer que seus filhos sejam pobres, sem chance de melhorar de vida. "A única alternativa é lutar". Mas o sucesso não vem fácil para um pária, como Sathe pôde comprovar na pele. "Nunca pensei que me tornaria um lutador famoso", diz ele, enquanto bebe um chá. "Os lutadores precisam de boa alimentação e, na maior parte dos casos, não tem condições financeiras de comprar comida de qualidade."

Sathe também se lembra de como era tratado. "Participava de alguns encontros e era obrigado a me sentar em um lugar separado para almoçar. Nunca conheci isso que chamam de espírito esportivo. Ninguém queria lutar comigo porque sou um pária. A luta requer contato corporal. Como um pária poderia tocar alguém de uma casta superior à dele? "

Aos poucos, Sathe ganhou o respeito de seus adversários, sendo mais forte e melhor em combate. Ele agora é uma celebridade regional. Um dos dois quartos na casa de seus pais é repleto de troféus reluzentes.

Na Índia rural, a quebra de safra muitas vezes gera dívidas, e essas dívidas têm causado uma epidemia de suicídios. A luta acaba sendo uma maneira de salvar uma família em apuros. Essa é a razão pela qual, diz Sathe, cada família envia pelo menos um filho para treinar no esporte.

Treinamento caro

Outro jovem lutador de Maharashtra é Ravi Gaikwad, um homem forte que vem de uma família pobre e hoje é uma figura em ascensão. Quando chegou ao talim onde treina, em uma região árida do Estado ─ e novamente eu consigo fazer com que me deixem entrar ─ um grupo de rapazes que está tomando banho de mangueira sai correndo para se esconder.

Aqui vivem cerca de 100 estudantes com idades entre 10 e 30 anos em uma construção simples, com amplos corredores que se tornam quartos à noite. A pessoa que administra o centro é o ex-lutador Namdeo Badre, que exibe orgulhosamente suas orelhas de couve-flor (deformadas por golpes), uma recordação de seus anos de combate.

"A luta é um esporte caro", diz ele. "A alimentação de um único jovem custa cerca de US$ 150 (R$ 450) por mês... uma criança de 10 anos, por exemplo, precisa de arroz amassado com três maçãs e bananas, dois ovos cozidos, um litro de leite e frutas secas apenas no café da manhã."

Para pagar as contas, esse talim, como muitos outros, depende de doações de fãs do esporte nas aldeias e nas regiões vizinhas. Não há mensalidade, porque os alunos são, na maioria, de famílias pobres e não podem pagar.

Reverência
Gaikwad está prestes a participar de um grande campeonato regional. Por isso, viajo a uma região produtora de açúcar em Maharashtra, a cerca de 320 quilômetros ao sul de Bombaim, para vê-lo em ação. Quando chego, milhares de pessoas já estão reunidas lá, todos homens, a maior parte em roupas tradicionais. O lugar é decorado com flores e bandeiras coloridas. Nunca vi nada parecido e me chama atenção a reverência da multidão.

Não se ouve uma única palavra durante os combates. Quem vê de fora poderia até pensar que os espectadores dormiram.O silêncio absoluto só é quebrado com a música estridente que toca depois de cada vitória. O torneio começa às 10h e dura 11 horas. Gaikwad ganha e recebe um polpudo prêmio em dinheiro.

Depois de sua vitória, ele está resplandecente diante da multidão, com o corpo nu, manchado de terra vermelha, com um turbante laranja na cabeça e o troféu na mão. Mesmo assim, a multidão permanece em silêncio. Timidamente, inicio uma comemoração. Alguns se juntam a mim, mas logo percebo que não sou maioria.

O dinheiro não vai para o talim, mas para Gaikwad e sua família - o que faz diferença para eles.





GRITAR ALIVIA A DOR - PODE SOLTAR O GOGÓ, AMIGO.




Pesquisadores da Universidade Nacional de Singapura pediram a 55 estudantes para enfiarem amão numa água bem gelada. Havia algumas regras: algumas vezes eles poderiam gritar de dor, outras teriam de ficar sentados passivamente, ou apertar um botão, ou ouvir a própria voz (ou a de outra pessoa) ao expressar dor.

Quando tiveram de ficar sentados, os participantes aguentaram segurar a mão dentro da água por 24 segundos. O tempo recorde aconteceu quando puderam soltar um grito leve de dor: a média com a mão submersa subiu para 31 segundos.

Uma possível explicação é que, ao gritar, seu cérebro tem menos espaço para assimilar a dor. É como se os dois estímulos (o grito e a dor) competissem pela atenção dele – aí a percepção da dor diminui.
Aprendeu? Pode tirar esse grito contido da garganta.

Crédito da foto: flickr.com/facing-my-life/

BANDA CONEXÃO KADMA E QUARTETO DA LUZ ABREM SEGUNDA TEMPORADA DO GOSPEL MADE IN BAHIA





O Talk Show Gospel Made in Bahia apresentado pelo jornalista Carlos Souza Yeshua inicia a 2ª temporada no próximo dia 6 de junho (sábado), às 18h, no Espaço Glauber Rocha da livraria Saraiva do Shopping da Bahia (antigo Iguatemi). Para a 1ª edição de 2015, o projeto receberá o Ministério Família Quarteto da Luz, de Salvador, que apresentará canções do CD “Juventude” e a Banda Conexão Kadma, de Camaçari, que mostrará composições do seu 1º CD “Encontro com Deus”. Além das apresentações musicais, os grupos falarão sobre suas carreiras artísticas e do cenário da música gospel da Bahia, a partir de suas perspectivas.  A programação cultural é gratuita e aberta ao público.

Fundada em 2014, a Banda Conexão Kadma vem conquistando seu espaço e consolidando seu ministério de louvor & adoração, com seu estilo que vai do forró gospel a adoração. O grupo já participou de eventos importantes como Clama Catu, Abala Camaçari, Marcha para Jesus, na cidade de Ubaíra (BA), dentre outros. No momento entre seus projetos de expansão, a banda trabalha na preparação do 2º CD.


O Ministério Família Quarteto da Luz é formado por quatro integrantes: Isaac, Adilce, Priscila e Hellen Dilce. Foi fundado no ano de 2000, no qual tinha o objetivo de pregar e anunciar o evangelho das boas novas da salvação. O grupo possui quatro CD's, que por ajuda de Deus conseguiu produzir durante toda essa jornada. O integrante Isaac teve sua origem ao lado do conjunto Filho da Luz, considerado o primeiro conjunto evangélico da Bahia, alcançando muitas vidas através do nome de Jesus Cristo. O conjunto era completo e possuía todos os instrumentos que na época não era permitida dentro de uma igreja, como: baixo, guitarra, bateria e teclado. 

O Gospel Made in Bahia é um projeto musical que tem o objetivo de adorar a Deus e propagar seu reino na terra, além de apresentar ao público soteropolitano o trabalho de artistas da música gospel da Bahia.  Este ano o projeto vem com novidades, cada edição contará com a participação de dois cantores/bandas convidados; diferente do ano passado, quando havia apresentação apenas de um convidado. 

Transmissão ao vivo - Quem estiver fora de Salvador no dia do evento pode acompanhar tudo ao vivo pela Web Rádio Internacional IMECD, através do link: http://igrejamissionariaencontrocomdeus.com/. O pastor Lázaro Moreira e sua equipe estarão cobrindo toda programação, assim quem não puder está presente poderá ouvir todo programa pela internet. O Talk Show também é filmado e disponibilizado no canal do YouTube: https://www.youtube.com/user/GospelMadeinBahia. Neste endereço também é possível acessar todas as edições que ocorreram em 2014 e as que serão realizadas em 2015. 



SERVIÇO:
O quê: Gospel Made in Bahia com a Banda Conexão Kadma e Quarteto da Luz.
Onde: Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi (Espaço Glauber Rocha) – Salvador /BA.
Quando: Dia 06 de junho (sábado), às 18h.
Entrada: Gratuita.  
Informações: (71) 8122-7231

Quarteto da Luz 

Banda Kadma 

QUER PARECER MAIS JOVEM? ENTÃO COMECE A DISTRIBUIR SORRISOS





Não faz muito tempo publicamos aqui no Mega Curioso a história de uma mulher que não sorri há 40 anos para evitar rugas, já que, para ela, poupar o rosto dessa expressão teria o efeito de um “Botox natural”. Contudo, um estudo recente revelou que pessoas com expressões felizes dão a impressão de serem mais jovens. Talvez seja uma boa ideia a mulher que decidiu parar de sorrir para preservar o rosto rever tanta seriedade em sua vida!

De acordo com Deni Kirkova do Daily Mail, o estudo foi conduzido por pesquisadores da Nívea — mais precisamente, para o lançamento de um novo produto da linha “Nívea Q10 plus”. Durante a pesquisa, o time de cientistas pediu que 2 mil pessoas estimassem a idade de 12 mulheres com idades entre 28 e 69 anos — e todas as “modelos” foram fotografadas com expressões felizes, neutras e tristes.

O tema é interessante, saiba tudo aqui:




NÃO FAÇA ESSES EXERCÍCIOS! AO MENOS QUE VOCÊ ESTEJA 100% CORRETO



Exercícios físicos são importantes e todos nós sabemos disso. Porém, o que você pode não saber é que muitos deles precisam ser feitos de maneira extremamente correta e concisa. Se isso não acontecer, o seu corpo pode sofrer alguns danos e outras fatalidades.

O iO9 conversou com a terapeuta Jen Mark, do York Simcoe Express, e a fisiologista Heather Milton, do NYU Langone Medical Center, sobre o assunto. Foram discutidos oito movimentos bastante utilizados pelos atletas.

Abaixo, você vai conhecer o que é necessário evitar:



DE PATRICIA DANTAS - O SILÊNCIO DE CADA UM



Tenho escutado e lido seguidamente que a verdade de cada um encontra-se num lugar chamado silêncio. Mera coincidência não pode ser. Porque nestes dias também eu me descubro aos poucos - como uma suave cortina que desce na frente do placo -, dotada de um silêncio avassalador que me fala coisas que nunca tive coragem de vivê-las a fundo. Sou muito mais movida pelo silêncio como minha forma mais essencial de me sentir viva.

Com o silêncio dialogo de forma mais profunda; as palavras se juntam e dão corpo a uma coisa que me transcende; é em meu silêncio que me pertenço mais puramente. É o silêncio que posso chamar de COISA, porque tem um duplo sentido, de liberdade e verdade.

Se for para me alertar sobre algo, meu silêncio já alcançou seu fim. Que sou obviamente misturada e misticamente envolvida na sensação opaca – lúcida lá na frente – do que o que eu digo mais interiormente é o que mais comprova meus gostos e sensações de quem sou. Sou o próprio silêncio cortado pelos rasgos incontidos de uma garganta mal acostumada a se calar perante o desconhecido revelado.

Como pode um tempestuoso ser indefinível, sutil e miraculosamente silencioso diante do mundo, tocar tão misteriosamente o que protegemos até de nós próprios? Eu, a pessoa protegida de mim, inteiramente pelo silêncio anterior a minha construção de qualquer som emitido.

Quase tenho mais palavras para falar sobre o que tenho agora em mãos – O SILÊNCIO, este poderoso antídoto contra todas as dores e atrocidades humanas – como não as teria para falar de algo mais corriqueiro e presente em meu cotidiano. É mais difícil acertar as contas com o óbvio que aniquila pessoas e personagens todos os dias.

E esse gozo eufórico de tratar do intenso encanto do que precede como a fé de uma prece vai tomando contornos tão nossos e originais, que não saberíamos colocar em outras mãos para simplesmente pertencer a alguém.

Diante dos silêncios imersos de cada um, não tenho como construir o que se é. Tudo vem velozmente acertando o próximo alvo. Quem estará ali, envolvido no próximo silencio? Alguém não quer falar, prefere calar ao mais fundo de si e ver se resta algo inesperado - a evocação de quem sempre esteve ali. A companhia de todas as horas.

O silencio eterniza a palavra não dita, o que se estava para dizer e calou-se. O medo, o pavor, a timidez preservada. Meros espectros. Quando alguém toca a ferida alheia, não é por meio da palavra dita? Não esqueçamos que também existem olhares avassaladores que protegem o que se vai dizer.

E por pouco tempo tudo depende da opção, da escolha da ferramenta com que se vai pescar dentro de si. (Clarice (Lispector) usava a “palavra como isca”) Mas tudo lhe vinha do silêncio e tornava-se uma forma de falar brutamente existente, que parecia erguer-se a quatro mãos, para apoiar o corpo todo nessa força bruta incessante.

Outra coisa: há inventividade e muito atrevimento nos silêncios de cada um.


III PARTE – A FESTA DO LANÇAMENTO DE SOLILÓQUIO NO MUSEU GEOLÓGICO DA BAHIA FOI UM SHOW


                                                          Clique nas fotos para ampliá-las: 

O lançamento da antologia aconteceu no dia 18 de maio, às 18h, com a presença da maioria dos escritores participantes do projeto. 

"Solilóquio", um projeto editorial organizado pela Cogito Editora em parceria com o Blog da Gaivota que buscou oferecer a oportunidade deste encontro consigo mesmo e com os outros por meio da reflexão.

Enquanto ocorria a sessão de autógrafos dos autores, o espaço era tomado por poetas como Pareta, Simone Portugal, Ely Carvalho e outros, além de Fábio Haendel e da Oficina de Muita Música, coordenada por Fábio Shiva. Tivemos também a presença do poeta, compositor e músico Chico do Crato e assim a festa foi completa.

Organizada por Ivan de Almeida e Lucymar dos Santos Soares (Cymar Gaivota) a Solilóquio traz crônicas de 30 autores: Angel Marques, Arturo Gouveia, Audelina Macieira, Carlos Barros, Carlos Souza, Celeste Farias, Ely Carvalho, Elton Sdl, Fábio Shiva, Fernando Coelho, Jairo Pinto, Jeová Vieira, Joanah Rios, Leandro Flores, Leda Jesuino, Luana Cavalcanti Bispo, Manhana Reis, Marcos Amaro, Marshal Jr., Mirian Menezes de Oliveira, Nádia Ventura, Nath Mascarenhas, Paulo Balôba, Patrícia Dantas, Rafael Rodrigo Marajá, Rejane de Sousa, Ronaldo Magella, Salete Lieven, Sérgio Guerra e Shirley Couto.

A obra ainda conta com o prefácio da professora e escritora Norma Silveira Castro de Almeida que esteve presente no evento prestigiando a todos.

Aconteceram também os relançamentos dos livros A Casa Azul Celeste e os Desbravadores Santarritenses de Marshal JR. e Memórias do Bar Quintal do Raso da Catarina, organizado pelo prof. Sérgio Guerra.

O Blog da Gaivota registro muitos desses momentos:

Assessoria: Carlos Yeshua
Fotografia: Lena Filha/Cymar Gaivota


     Clique nas fotos para ampliá-las: