MAIS SEXO, MENOS ALEGRIA


Ao contrário do que sempre se imaginou-se, e até mesmo algumas pesquisas anteriores sobre o tema sugeriu, manter mais relações sexuais não faz o casal ser mais feliz em seu relacionamento. Pesquisadores da Universidade de Carnegie Mellon chegaram a conclusão que o excesso de sexo pode aumentar até mesmo a infelicidade.

Alguns estudos anteriores sobre comportamento haviam chegado a conclusões que quanto mais sexo os casais fazem, mais eles são felizes, chegando, inclusive, a comparar a felicidade de um casal que aumentou o número de relações de 1 para 4 por mês, com a mesma de receber 50 mil dólares de renda extra.

Contudo, o novo estudo conduzido pelo professor de economia e psicologia, George Leowenstein, mostrou que a realidade é exatamente oposta. O ponto de partida da pesquisa foi identificar se os casais faziam mais sexo porque estavam felizes ou se estavam felizes porque estavam fazendo mais sexo, além de considerar outros fatores como renda, localização e idade como medidores de felicidade.

A pesquisa durou 90 dias e contou com 64 casais adultos, com idade entre 35 e 65 anos, que foram divididos em 2 grupos. No primeiro grupo de casais foi pedido para que dobrasse o número de relações sexuais que estavam tendo até aquele momento, enquanto no outro pediram para manter a mesma quantidade de relações sexuais.

No decorrer dos três meses de pesquisa, os casais deveriam responder um questionário para medir a felicidade rotineiramente, e esses questionários começaram a surpreender os cientistas que esperavam uma história mais usual, em que estavam mais felizes os casais que aumentaram o volume de sexo.

Mas ao contrário do esperado, eles identificaram que a “obrigatoriedade” de manter relações acabou diminuindo a qualidade do sexo e, consequentemente, piorou o humor e a felicidade do casal. Enquanto os pares que mantiveram a quantidade continuavam a se mostrar satisfeitos com o número de relações e com a qualidade da mesma. Science Alert


Comentários