DE SIMONE PORTUGAL - ANDO ASAS




                                                         Simone Portugal

Afaste-se de mim, ego maldito
Não deseje carinho, satisfaça-se
Longe daqui, gente vangloriosa
Que já sabe, se basta, suficiência
Não nasci pra ser melhor do que você
Sou fruto de aborto, nasci pra dentro.
Quero me comparar comigo a todo momento
Não sou menor, sou do meu tamanho
Sei,  não me pertence o mundo,
nem nada, nem tudo
Mas assim vou vivendo,
se é que vivo estou, ou sou só pensamento
Eis-me aqui, com muita falta, vazios e espaços
Pedindo distância dos cretinos e parvos
Amanhecendo pra não morrer de ontem
Porque tem um pássaro na minha janela
Ele me mostra todos os dias como se voa
E depois eu saio caminhando como se fosse asas.
ainda bem que disfarço bem que não sei caminhar.




Comentários