PULSEIRA POLÊMICA PROMETE MEDIR CALORIAS INGERIDAS POR USUÁRIO

Pulseira promete medir calorias ingeridas por usuário (Foto: Divulgação/HealBe)





GoBe foi apresentada na feira CES 2015, em Las Vegas (EUA), e diz ser capaz de medir o fluxo de água dentro das células do corpo.

Uma pulseira que seria capaz de medir as calorias ingeridas pelo corpo de seu usuário despertou atenção e polêmica na atual edição da feira Consumer Electronic Show, que é realizada em Las Vegas (EUA).

A GoBe, segundo seus criadores, mede o fluxo de água dentro das células. "Os carboidratos (ingeridos pelo usuário) se convertem em glicose, que vai para as células e faz a água sair das células", explica à BBC George Mikaberidze, cofundador da empresa fabricante do aparelho, a HealBe.

A apresentação da medição de calorias ocorre via smartphones – o aparelho pode ser sincronizado com os sistemas operacionais iOS e Android.

A BBC testou o produto: fez Mikaberidze comer um lanche que incluía sanduíche, chocolate e bebida. Segundo as embalagens dos alimentos, foram ingeridas 555 calorias. Após duas horas, quando o corpo de Mikaberidze já teve tempo de digerir os alimentos, a GoBe calculou que foram 514 calorias.

Segundo Mikaberidze, o aparelho trabalha com uma margem de precisão de 85%. Questionado a respeito dos diferentes portes físicos de cada pessoa, que podem levar a variações na medição, Mikaberidze afirmou que está trabalhando para aumentar a precisão do GoBe e adaptá-lo a diferentes perfis de usuários (idosos, esportistas e crianças, por exemplo).

Mas o produto tem gerado controvérsia: críticos dentro da comunidade médica dizem que ele faz propaganda enganosa ao prometer contar calorias, pois a glicose no sangue seria apenas um dos indicativos do total de energia consumido pelo usuário.

Muitos questionam o funcionamento do aparelho, dizendo que o sensor de impedância usado pelo GoBe não seria capaz de fazer uma correlação precisa entre a água das células e os níveis de glicose.

Mikaberidze responde que o produto foi feito e testado com a ajuda de associações médicas na Rússia.

Comentários