POR QUE OS HOMENS NÃO VÃO AO MÉDICO?



Seja por questões culturais ou por medo, os homens não têm o hábito de ir ao médico. Reconhecer a vulnerabilidade é o primeiro passo para encontrar na medicina uma aliada para uma boa saúde.

 “A cada três adultos que morrem no Brasil, dois são homens. A cada cinco pessoas que morrem entre 20 e 30 anos, quatro são homens”.

A cada três adultos que morrem no Brasil, dois são homens. A cada cinco pessoas que morrem entre 20 e 30 anos, quatro são homens. Além disso, “o sexo forte” vive, em média, sete anos menos do que as mulheres e tem maior incidência de doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial mais elevada. As estatísticas não são nada animadoras, mas sabe por que isso acontece? A resposta é simples: eles não cuidam da própria saúde.

Desde muito cedo, quando ainda criança, os meninos são convencidos pelos pais e pela sociedade de que são super-heróis, que não sentem dores e nem podem chorar. Muitos pensam que essas coisas são apenas para as meninas que são frágeis e delicadas. Uma “doencinha” então... nada mais é que pura frescura, logo passa. Esse comportamento cultural é um dos responsáveis por fazer com que os homens fujam dos médicos como o “diabo foge da cruz”.

Enquanto as mulheres aprendem, desde cedo, que é preciso ir regularmente ao ginecologista - e depois, quando se tornam mães, que é preciso levar os bebês ao pediatra -, os homens são criados sem esse hábito. Como consequência, muitos deles sofrem com males que poderiam ser evitados, caso houvesse atitudes preventivas. 

Os principais problemas que atingem os homens relacionam-se principalmente com as doenças gênito-urinárias associadas à idade como a disfunção erétil, infertilidade, hiperplasia prostática benigna (aumento da próstata) e os tumores, destacando-se o câncer de próstata. Entretanto, os mais jovens também podem apresentar problemas como ejaculação precoce, disfunção erétil, doenças sexualmente transmissíveis e cálculo renal, conhecido popularmente por “pedra no rim”. Para evitá-los, é importante procurar um urologista.


Um toque delicado
Uma das maiores preocupações dos médicos com relação à saúde do homem, diz respeito ao câncer de próstata. O alarde faz sentido, uma vez que são 50 mil novos casos, a cada ano, no Brasil. Por isso, a ida ao urologista deve começar aos 45 anos, mas, se houver casos da doença na família, a primeira visita deve ser aos 40. O diagnóstico é feito em três etapas. A primeira é um bate-papo sobre os possíveis sintomas, depois o paciente faz o PSA (exame que mede a taxa de antígeno prostático no sangue - não pode ser superior a 4ng) e, por último, é feito o toque retal, a parte polêmica e mais temida pelos machões.
"...são 50 mil novos casos (de câncer de próstata), a cada ano, no Brasil..."

Muitos fogem do consultório médico justamente por medo do toque retal, acham que o exame acabará com a masculinidade e virilidade que existem dentro dele, mas não é bem assim. Em sete segundos o urologista introduz o dedo no ânus do paciente e pronto. É tudo bem rápido e indolor. Essa simbologia negativa sobre o exame é só mais uma barreira que impede a boa e tranquila relação com os médicos. Como não há fatores comprovados que previnem o câncer de próstata, é necessário o diagnóstico precoce. 



Comentários