MAIS DE 200 MIL SE INSCREVEM PARA VIAJAR A MARTE SEM VOLTA EM 2022



Pessoas de 140 países se candidataram para colonizar planeta vermelho.

Brasileiros são 5% dos interessados, e viagem terá sete meses de duração.

Mais de 200 mil pessoas de 140 países se inscreveram para fazer parte do grupo de primeiros colonizadores de Marte em uma viagem sem volta, informou nesta segunda-feira (10) a empresa holandesa sem fins lucrativos Mars One, responsável pelo projeto.

No total, 202.586 candidatos se registraram para integrar a primeira leva de emigrantes, informou em comunicado a companhia, que abriu a convocação em abril para uma viagem de sete meses de duração, prevista para 2022.

O maior grupo de interessados vem dos Estados Unidos (24%), da Índia (10%), da China (6%) e do Brasil (5%). Mas também se inscreveram candidatos de países como Argentina, Chile, Colômbia, Espanha,  México, Peru, Alemanha, Austrália, Canadá, Filipinas, França, Itália, Polônia, Reino Unido, Rússia, Turquia e Ucrânia.

Três fases de seleção estão previstas para os próximos dois anos, destacou a Mars One. "Até 2015, entre seis e dez equipes de quatro pessoas receberão um treinamento completo", explicou.

O projeto, que tem custo de US$ 6 bilhões (R$ 13,7 bilhões) segundo a Mars One, encontra alguns céticos, mas recebeu o apoio do vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1999, o holandês Gerard't Hooft.

Até agora, houve apenas missões com robôs a Marte, todas realizadas com sucesso pela agência espacial americana (Nasa). Apesar disso, a agência informou em maio que os EUA estão decididos a enviar astronautas para o planeta vermelho dentro de duas décadas.

Mas o plano da Mars One enfrenta vários obstáculos. Os participantes não só não vão poder voltar à Terra, como também terão que viver em pequenos habitats, encontrar água, produzir oxigênio e cultivar os próprios alimentos.

Além disso, Marte é um grande deserto, a atmosfera é composta principalmente por dióxido de carbono e a temperatura média é de -63° C. Os "astronautas" também se submeterão a uma perigosa radiação cósmica durante a viagem.

Por último, ainda não existe um foguete nem uma cápsula que transportem esses voluntários, admitiu a Mars One.

Ilustração mostra como seria o abrigo dos turistas que viajariam até Marte com a Mars One (Foto: AFP)


Comentários