PARETA CALDERASCH - FALHA EM BILHETE DE SISTEMA ÚNICO - SALVADOR/BA

http://expressaoeimpressao.blogspot.com.br/2013/07/
alma-brasileira-lancou-sensacoes.html

Pareta Calderasch
Ator/poeta
Bilhete de sistema único da Prefeitura de Salvador - Uma Masturbação.



SEGUNDO MATÉRIA DO CORREIO DA BAHIA, o sistema de Bilhete Único proposto pela prefeitura funciona da seguinte forma: A cidade é dividida em 4 áreas denominadas, Centro, Orla, Subúrbio e o incompreensível Miolo (eu moro no miolo). O bilhete único (que possibilita pagar só uma tarifa em determinado tempo, mesmo que pegue mais de um ônibus) só funcionará se a pessoa tiver feito o deslocamento de uma área para outra da cidade e num período máximo de duas horas, esse sistema é funcional?

Lógico que não, vivemos em uma cidade completamente travada pelo engarrafamento. Temos vias em Salvador que embora tenham sido reformadas há pouco tempo estão em situação drástica de deterioração, um exemplo disso é a Nilo Peçanha que com uma semana de pronta já tinha os primeiros buracos. Sabemos também que ao menor sinal de chuva só é possível trafegar de barco, de forma que o tempo máximo para a integração se mostra ineficaz de acordo com as vias que temos na nossa cidade. Para entender, vou dar um exemplo que qualquer soteropolitano entenderia.


Imagine que você quer ir para o Campo Grande, toma o ônibus Praça da Sé no bairro da Pituba e ao chegar ao Rio Vermelho percebe que está com a orla toda engarrafada, possivelmente até Ondina. O melhor caminho seria trocar por algum ônibus pra subir a Cardeal da Silva, que é bem mais rápido para chegar ao Campo Grande. Nesse caso, o bilhete único não funciona visto que você continua na Orla e não chegou ao Centro, pra funcionar você teria que chegar ao Campo Grande. Mas como ainda não chegou, terá que pagar uma nova passagem, mesmo estando no período de duas horas.

Se o bilhete único não vai solucionar os problemas de locomoção e mobilidade da cidade ele não se mostra completamente eficaz. É eficaz apenas no caso das pessoas que trabalham em regiões muito distantes da que moram, caso não haja engarrafamento (o que é impossível na Salvador de hoje). Por esse motivo o Movimento Passe Livre Salvador rejeitou a proposta do prefeito, vendo ela como um paliativo diante das grandes necessidades da cidade e não uma solução real.


Vejam essa matéria sobre o transporte de Salvador:


Comentários