JOVEM VICIADA EM INTERNET PERDE MARIDO, EMPREGO, 33 KG E FICA SEIS MESES INTERNADA

Já se passaram seis meses desde que Lucélia Cristina Paes, de 26 anos, iniciou o tratamento contra o vício em internet em uma clínica de Araçoiaba da Serra (SP). 

A doença, que a fez perder o emprego, o marido e 33 quilos – por deixar de viver a vida real para se dedicar exclusivamente à online –, ainda não está totalmente controlada e, por isso, a proximidade do término do tratamento, previsto para daqui a dois meses, assusta a paciente. “Tenho medo do mundo lá fora, de como vai ser fora daqui, pois não quero mais voltar a ter a vida que eu tinha antes”, conta a jovem.

Antes da internação, Lucélia havia trocado o dia pela noite e até esquecia de comer. Ela trabalhava pensando na hora do intervalo, em que poderia pegar o celular que ficava guardado no armário da empresa. Como o tempo livre não era suficiente, Lucélia saiu do emprego para se dedicar única e exclusivamente ao vício eletrônico. Já o marido, cansado de “disputar” a atenção dela com a internet e de sentir ciúmes com as conversas dela em salas de bate-papo – que geraram várias brigas – acabou pedindo o divórcio.

Como parte do tratamento, Lucélia iniciou há alguns dias a etapa de ressocialização, quando o paciente da clínica retorna à sua casa por um pequeno período na tentativa de voltar a se acostumar com o ambiente e, também, com o convívio familiar. A jovem ficou por cinco dias em casa, tempo que considerou insuficiente para saber se irá, de fato, conseguir superar o seu vício. “O computador estava lá, na minha frente, em nenhum momento usei. Só que, quando penso em sair de vez da clínica, sinto medo de sair e depois ter que voltar.”

Durante os cinco dias que permaneceu em casa, que fica na cidade de Tatuí (SP), a paciente contou com o apoio da família para se manter longe da vida on-line. Principalmente da filha, de seis anos, que, apesar da pouca idade, ficou no pé da mãe o tempo todo para que ela não tivesse uma recaída. “Ela ficava falando pra mim: ‘mãe, não entra na internet mais. Não chega mais perto do computador’. Até na hora que ela quis tirar uma foto comigo, não pegou o celular. Disse que era melhor usarmos a máquina fotográfica mesmo”, relembra Lucélia.


Fonte: G1
 Veja aqui matéria completa:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe, opine, colabore, construa. Faça parte desse "universo".