CAMINHO DA SALVAÇÃO - VALDECK ALMEIDA DE JESUS


Foto Amana Dutra
Valdeck Almeida de Jesus
Todo mundo tem vontade de cometer um pecado, resvalar pela trilha mais fácil, ser pego com a boca na botija. E que se calem os honestos de plantão, os defensores da moral e dos bons costumes. Atire a primeira pedra quem não burlou recolhimento de impostos, não ficou com o troco a mais na padaria, não olhou para a mulher ou para o marido do próximo...

Traição pode. Matar já seria demais! Mesmo assim a lista de deslizes não para de crescer e, mesmo em pensamento muita gente já matou amigos, sogras, vizinhos, colegas de trabalho. Só não vale confessar, tampouco ir às vias de fato, ou seja, esganar, assassinar. Pensar pode. 

Em pensamento até crimes hediondos são cometidos, nem me atrevo aqui a citar alguns deles, pois os moralistas podem encontrar uma brecha na lei para me enquadrar, sob qualquer pretexto. Incitação ao crime seria um deles.

Mas, com ou sem previsão legal, os crimes rolam soltos. Citar falcatruas políticas, desvios de verbas e outras fraudes, tramóias, manhas, dolos, tretas etc seria muita ingenuidade. Afinal, nada disso choca mais ninguém. A resposta é simples: ninguém escapa, todo mundo tem o rabo e outras partes do corpo bem presos, bem amarrados, para não dar pinta!

Só citarei o exemplo de um casal que se maquia todo dia. Ele se ajeita todo, bota perfume, aperta o cinto, lustra o sapato, borrifa cheirinho de hortelã na boca, passa a ponta do indicador nas sobrancelhas, se apruma diante do espelho e marcha, como um soldado, para ocupar seu alto posto na cidade. No trajeto, não vê pedestres, finge não perceber o semáforo amarelo e acelera, fecha os vidros para não ser incomodado... Ela, quilos de tinta no rosto, sacudidela nos cabelos, estica saia daqui, puxa blusa dali, confere a bolsa, se apóia sobre os saltos, personagem montada e lá vai.

Muita gente vive fazendo este mesmo teatro na vida. Nos encontros sociais fazem discurso a favor da democracia, mas quando se deparam com uma situação real, mudam de postura. Este casal, como tantos outros, é um exemplo de desencontro entre o discurso e a prática. Quando se cruzam nos corredores da vida sequer olham nos olhos ou dirigem uma palavra. Cada um na sua empáfia se acha superior ao outro. São castos, ocupam lugar de destaque no mundo e nada pode lhes ser apontado. É o que cada um pensa, apesar das falsas aparências. Afinal, ninguém é perfeito e todos fazem parte do mesmo teatro: cidadão e sociedade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe, opine, colabore, construa. Faça parte desse "universo".