PARA QUE SERVE UMA LIVRARIA?

DANILO VENTICINQUE é editor de livros de ÉPOCA. Conta com a revolução dos e-books para economizar espaço na estante e colocar as leituras em dia. Escreve às terças-feiras sobre os poucos lançamentos que consegue ler, entre os muitos que compra por impulso (Foto: Sidinei Lopes/ÉPOCA)


Um especialista acredita que as lojas desaparecerão no futuro. Mas elas já começaram a se reinventar


Uma das grandes vantagens de ser jornalista é poder falar com especialistas em qualquer assunto. Não importa qual área do conhecimento te interessa: há sempre dezenas de americanos que dedicam sua vida àquilo e são capazes responder a qualquer pergunta. Nas horas vagas, preveem o futuro. Falar com eles costuma ser uma experiência enriquecedora, mas suas más notícias sobre os anos vindouros podem aborrecer qualquer um.

A previsão mais perturbadora que ouvi de um entrevistado surgiu numa conversa sobre livros digitais. O entrevistado era o americano Bob Stein, presidente do Instituto para o Futuro do Livro. (Sim, podemos dormir tranquilos: existe um instituto dedicado a isso.) Entre uma pergunta e outra sobre os diferentes formatos de e-books, suas vantagens e desvantagens, Stein comentou casualmente que as livrarias iriam acabar. Com o sucesso das vendas de livros digitais e a adesão dos consumidores ao comércio eletrônico, elas tinham se tornado inúteis.


Ao ouvir a previsão, engasguei. Stein percebeu do outro lado da linha e hesitou por um instante. Era um momento inusitado. Repórteres costumam ficar felizes quando um entrevistado diz uma frase de impacto. Ele logo percebeu que esse não era o meu caso, e começou um esforço desajeitado para me consolar. Reelaborou sua opinião de forma mais otimista, como se tentasse convencer uma criança de que fadas existem, ou de que a mãe do Bambi não estava morta. A frase publicada na minha reportagem acabou sendo esta: "As livrarias não desaparecerão, mas deixarão de ser apenas pontos de venda." Eu não estava pronto para acreditar na primeira frase, nem convencido o suficiente para dividi-la com os leitores.




Comentários