'NUNCA IMAGINEI', DIZ SOLDADOR DO RN APÓS VENCER 3 PRÊMIOS NA COLÔMBIA



Rafael Pereira, de 20 anos, foi o melhor competidor do WorldSkills Americas.

Competição interamericana de profissões técnicas foi disputada em Bogotá.

De empregado de uma oficina de portões a campeão da WordSkills Americas, competição interamericana de profissões técnicas. É o resumo da ainda curta trajetória do potiguar Rafael Wenderson Morais Pereira, de 20 anos, que voltou de Bogotá, na Colômbia, com duas medalhas de ouro nas categoria de melhor soldador e melhor competidor brasileiro, além do troféu Albert Vidal, entregue ao participante com a maior pontuação da competição. "Fui além do que imaginava", afirma.

Natural de Mossoró, cidade da região Oeste do Rio Grande do Norte, Rafael vem de origem humilde. É filho de uma dona de casa e de um pedreiro, condição que não o impediu de seguir os passos do irmão mais velho, que já participou de olimpíadas nacionais e internacionais. "Por influência do meu irmão entrei no Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) para fazer o curso de técnico de mecânica industrial em 2009", conta.

Em um ano Rafael parou o curso. Seu plano era treinar para participar da Olimpíada do Conhecimento, competição na qual foi campeão estadual e nacional. No ano passado o jovem viajou a Leipzig, na Alemanha, e de lá trouxe a medalha de prata do WordSkills Internacional em disputa com competidores de 35 países. "Depois disso pensei que ia voltar para minha vida. Virei instrutor do Senai", explica.

O que Rafael não esperava era uma nova oportunidade em competições internacionais. "Fui chamado para Bogotá. Tive que parar de trabalhar, não pensei duas vezes", relata. Na Colômbia o jovem teve que fazer quatro processos diferentes com três materiais. "As provas são 100% práticas e rigorosas para comprovar que você está preparado para a tarefa. Quem solda os quatro processos é diferenciado", relata Rafael, que esperava ganhar o prêmio apenas em sua categoria.

"De acordo com meu trabalho era para ganhar como soldador. Depois fui chamado como 'Best Of Nation', o melhor do Brasil. Quando descia do palco, Roberto Spada - diretor da WorldSkills America - me mandou parar. Ali vi que ia ganhar de novo", lembra.

De volta ao Rio Grande do Norte após ser premiado, Rafael pretende concluir o curso técnico de Mecânica Industrial e cursar Engenharia Civil em Mossoró. A graduação será paga pelo Senai como prêmio pela participação do jovem na WorldSkills Internacional, na Alemanha, em 2013.


Família orgulhosa

Rafael é recepcionado por direção do Senai no
aeroporto Augusto Severo (Foto: Felipe Gibson/G1)
Dona de casa, Maria Alcilene Morais Pereira, de 47 anos, já se acostumou com os filhos ganhando prêmios nacionais e internacionais. Depois do filho mais velho, de 26 anos, foi a vez de Rafael voltar premiado para casa. "O mais novo, de 15 anos, já falou que vai seguir o caminho dos irmãos. Está prometido", brinca.

Alcilene vai com o marido ao Senai para recepcionar o filho e depois promete uma reunião familiar para comemorar a conquista. "É muita felicidade. O irmão já havia passado por todas essas fases e ecompanhamos tudo aqui em casa. Estava muto confinante, tudo que ele faz é assim", afirma a dona de casa, para quem a dedicação dos filhos foi o diferencial para superar as limitações financeiras da família.

"Todos estudaram em escola pública. E sabem como é a violência hoje em dia, muitos não conseguem escapar dela. Para mim educação é o caminho", conclui.




Comentários